Introdução à patologia do aparelho respiratório.

No nosso dia-a-dia, ao respirarmos, estamos entrando em contato com grande quantidade de substâncias químicas, poeira e agentes biológicos, potencialmente nocivos para o nosso organismo. Nosso aparelho respiratório é dotado de mecanismos de defesa que nos permitem, em grande parte, impedir a penetração destes agentes ou eliminá-los.

As nossas narinas são dotadas de pelos, que permitem a filtração de particulas grandes. A mucosa nasal é capaz de umidificar e aquecer o ar que inspiramos.

A mucosa respiratória é revestida por epitélio cilíndrico simples, que contem células caliciformes, células ciliadas e células neuroendócrinas. Ela reveste toda a árvore traqueo-bônquica, incluindo o laringe, a traquéia, os brônquios e os bronquíolos.

As células caliciformes produzem muco, que além de constituir uma barreira física à qual aderem partículas de poeira, contem imunoglobulinas capazes de dificultar a penetração de bactérias.

As células ciliadas contém cilios que estão em constante movimento, conduzindo muco e partículas a êle aderidas, em direção ao exterior.

A tosse e o espirro são importantes mecanismos de limpeza das vias aéreas.

De um modo geral o nosso aparelho respiratório tem maior facilidade em impedir a penetração das partículas de maior tamanho. As partículas de menor tamanho (3 a 10 micra) que penetram em nossos pulmões, geralmente são fagocitadas por macrófagos encontrados nos bronquíolos e alvéolos.

Os pulmões pesam entre 350 e 400 g e são divididos em lobos, 2 no pulmão esquerdo e 3 no pulmão direito. O ar chega até eles depois de passar pela traquéia e alcançar os brônquios principais, também chamados de brônquios fonte. O bônquio principal direito é mais vertical do que o esquerdo, que forma ângulo mais fechado com a traquéia, razão pela qual geralmente os corpos estranhos inalados tendem a se alojar no pulmão direito.

Os brônquios principais dividem-se em brônquios lobares, que por sua vez dão origem aos brônquios segmentares. Estes se subdividem e dão origem aos bronquíolos, que não apresentam cartilagem em suas paredes e não têm glândulas mucosas. A ramificação progressiva dos bronquíolos dá origem aos bronquíolos terminais e estes aos bronquíolos respiratórios.

A parte do pulmão situada distalmente ao bronquíolo respiratório é chamada de ácino pulmonar. O ácino pulmonar é constituído de:

  1. Bronquíolos respiratórios (RB)
  2. Ductos alveolares (AD)
  3. Sacos alveolares (AS)
  4. Alvéolos.

Um conjunto de três a cinco ácinos forma um lóbulo pulmonar que é envolto por delgado septo conjuntivo denominado septo inter-lobular.